5 tendências de marketing para colocar em prática na sua empresa em 2022

O mundo atual, marcado por mudanças constantes, tem exigido que as empresas tenham flexibilidade em suas estratégias de marketing. 

Basta relembrarmos os acontecimentos dos √ļltimos anos para entender como isso acontece na pr√°tica. Por conta da pandemia, neg√≥cios precisaram rever todo o seu planejamento de marketing. No in√≠cio, aqueles que n√£o tinham presen√ßa digital tiveram que correr para cri√°-la. Agora, com a reabertura, est√° sendo necess√°rio repensar os espa√ßos f√≠sicos.

As transforma√ß√Ķes variam conforme o mercado e o modelo de neg√≥cio. Mas o fato √© que as empresas precisam ficar a par das novidades caso desejem seguir relevantes e competitivas. Uma maneira de fazer isso √© olhando para os movimentos que j√° se desenham para o pr√≥ximo ano para entender o que faz sentido para o neg√≥cio.

Por isso, reunimos neste artigo 5 tendências de marketing para observar em 2022. Continue a leitura para ficar por dentro!

Conheça 5 tendências de marketing para 2022

1. Marketing de influência

Faz tempo que marcas se apropriam da credibilidade de famosos e de especialistas para vender produtos ou serviços. Com as redes sociais e o surgimento dos influenciadores digitais, esse processo, antes restrito aos espaços publicitários de canais de televisão ou de revistas, se estendeu também para a internet. 

A web democratizou a cria√ß√£o de conte√ļdo, que ganhou autenticidade. Nas redes sociais, os criadores se multiplicam, e vemos desde as celebridades at√© os microinfluenciadores produzindo conte√ļdo diariamente. Cada influenciador cria sua pr√≥pria comunidade e pode focar em um p√ļblico mais amplo ou em nichos bem espec√≠ficos.

Com esse movimento, o marketing de influência tornou-se uma estratégia mais acessível, podendo ser usado tanto por grandes quanto por pequenas empresas, mesmo aquelas de segmentos que não são tão óbvios.

Os criadores de conte√ļdo tamb√©m s√£o experts nas plataformas que utilizam, seja o Instagram, o TikTok ou outras redes sociais, e dominam o tema sobre o qual costumam falar. Eles ainda possuem uma audi√™ncia engajada, interessada no conte√ļdo que publicam e que √© influenciada por eles.

Dessa maneira, quando uma empresa investe em marketing de influência da maneira certa, consegue aumentar o brand awareness e ganhar fãs oriundos da base de seguidores do influenciador.

Não aproveitar o potencial das redes sociais e dos criadores presentes nessas plataformas, em um país que passa uma média de 5,4 horas por dia em aplicativos, é um desperdício. Ainda assim, o marketing de influência ainda é visto como algo restrito a grandes negócios, ou então como uma estratégia cujos resultados são difíceis de provar.

Mas, aos poucos, isso está mudando. A pandemia, por exemplo, intensificou a busca por criadores. Em uma pesquisa feita pela Youpix, 83% dos negócios entrevistados afirmaram que, com a covid-19, campanhas de marketing de influência se tornaram mais estratégicas para seus negócios. E a tendência é que a adoção desse tipo de estratégia continue aumentando.

Veja tamb√©m:  Marketing Digital e Posicionamento: Como a Kepler Weber est√° driblando os desafios da pandemia

Para aproveitar a tend√™ncia do marketing de influ√™ncia, √© importante fazer uma estrat√©gia fundamentada em dados, com KPIs bem definidos, antes mesmo de escolher os influenciadores. √Č necess√°rio tamb√©m ir al√©m do n√ļmero de seguidores e observar o valor de criadores menores, que falam de maneira mais pr√≥xima com seus seguidores e t√™m alto poder de influ√™ncia. Na hora de fazer a escolha, avalie tamb√©m m√©tricas como o engajamento.

2. Vídeos curtos

Os v√≠deos curtos invadiram os feeds dos usu√°rios nos √ļltimos anos, mas ainda podem ser mais explorados pelas marcas. O p√ļblico j√° consome de forma massiva esse tipo de conte√ļdo.¬†

Prova disso √© que o TikTok, focado no formato, atingiu em julho de 2021 a marca de 3 bilh√Ķes de downloads, antes exclusiva do Facebook, Messenger, WhatsApp e Instagram, todas plataformas da Meta. No Instagram, os v√≠deos curtos j√° respondiam por 45% do conte√ļdo publicado, conforme dados de 2020 divulgados pela pr√≥pria plataforma.¬†

Durante a pandemia, o formato foi usado como laborat√≥rio para os criadores, que passaram a usar v√≠deos para testar novas ideias. As ferramentas de edi√ß√£o, f√°ceis de usar, contribuem para a popularidade. A tend√™ncia n√£o torna os v√≠deos longos menos importantes, mas √© mais uma possibilidade de que as marcas disp√Ķem para atingir o p√ļblico desejado.¬†

Enquanto v√≠deos extensos podem oferecer informa√ß√Ķes mais profundas sobre produtos, servi√ßos ou empresas, os conte√ļdos curtos podem ser bastante efetivos, considerando que, atualmente, a aten√ß√£o √© a moeda de troca.¬†

Afinal, no feed do potencial cliente, a empresa compete n√£o s√≥ com outros neg√≥cios, como tamb√©m com publica√ß√Ķes de amigos, familiares e famosos. Um conte√ļdo criativo e objetivo pode capturar a t√£o disputada aten√ß√£o do p√ļblico.

Isso quer dizer que tem que fazer dancinha? N√£o necessariamente. A ideia √© entender do que o seu p√ļblico gosta e comunicar-se usando a linguagem dele, aproveitando os recursos dispon√≠veis para entregar mensagens que o atinjam. Como no caso de qualquer tend√™ncia, √© essencial entender se o formato faz sentido para a audi√™ncia da empresa e se ele est√° nas redes sociais em que esse tipo de v√≠deo pode ser publicado.¬†

3. Otimização para dispositivos móveis

Com o uso cada vez mais frequente dos celulares, √© preciso que as estrat√©gias de otimiza√ß√£o das empresas tamb√©m levem em considera√ß√£o esses dispositivos. Nesse contexto, a otimiza√ß√£o para dispositivos m√≥veis √© uma grande tend√™ncia de marketing, que precisa ser levada a s√©rio pelos neg√≥cios que querem oferecer uma boa experi√™ncia de navega√ß√£o ao p√ļblico que acessa a web pelo celular ou tablet.

Primeiro, √© preciso ter um site responsivo, que se adapte aos diferentes formatos de tela. Mas isso j√° √© uma necessidade h√° alguns anos. Ent√£o, onde est√° a tend√™ncia? Para ir al√©m, as empresas devem levar em considera√ß√£o outros crit√©rios da navega√ß√£o m√≥vel, como o tempo de carregamento das p√°ginas, o tamanho das p√°ginas, a experi√™ncia do usu√°rio, os padr√Ķes de uso.¬†

Veja tamb√©m:  Carta da CEO: sobre 2020 e uns

A empresa pode come√ßar fazendo uma inspe√ß√£o t√©cnica: garantir que o servi√ßo de hospedagem seja de qualidade, usar uma plataforma de gest√£o de conte√ļdo confi√°vel, como o WordPress, otimizar imagens e c√≥digos. Depois, √© o momento de se certificar de que a velocidade de carregamento do site seja t√£o r√°pida quanto poss√≠vel. Isso √© fundamental para garantir uma experi√™ncia de navega√ß√£o boa.¬†

A UX (user experience, ou experiência do usuário) também é crucial. Sobre isso, falamos com mais detalhes em: UX e UI: como sua empresa tem pensado na experiência do consumidor?.

4. Responsabilidade social

O comportamento dos consumidores mudou. Al√©m de exigir um bom produto ou servi√ßo e um atendimento de qualidade, a clientela atual tamb√©m prefere comprar de neg√≥cios que tenham responsabilidade social e um prop√≥sito bem definido. A maneira como a empresa trata quest√Ķes como sociedade, meio ambiente e diversidade interna pode ser determinante entre um cliente escolher voc√™ ou a concorr√™ncia.

Da mesma maneira que se torna um brand lover dos negócios que admira, indicando-os para amigos e familiares, o consumidor atual não hesita em boicotar as empresas que vão contra as causas com as quais se identifica.

√Č claro que muitas empresas j√° se deram conta disso e passaram a adotar boas pr√°ticas de maneira superficial, apenas para melhorar a pr√≥pria imagem. Mas √© preciso ter aten√ß√£o, pois isso tamb√©m n√£o √© visto com bons olhos pelos consumidores atuais. O chamado cause washing, que consiste em envolver-se superficialmente com causas para ser bem visto, pode ter o efeito oposto, atraindo cr√≠ticas e repelindo o p√ļblico.

Com isso em mente, o que a empresa precisa fazer? O primeiro passo √© realmente passar por uma transforma√ß√£o interna genu√≠na, investindo em uma equipe diversa, tendo boas pr√°ticas de gest√£o, respeitando o meio ambiente e a sociedade. As pessoas valorizam cada vez mais a responsabilidade social e, para que o seu p√ļblico se sinta respeitado, as mudan√ßas precisam ser verdadeiras.

Mas e onde entra o marketing? Afinal, estamos falando de uma lista de tendências para essa área da empresa. 

N√£o tem problema que as a√ß√Ķes sejam mostradas na estrat√©gia de marketing do neg√≥cio, desde que elas realmente existam na pr√°tica. A empresa pode divulgar suas iniciativas de diversidade e inclus√£o nas redes sociais, por exemplo, al√©m de demonstrar outras a√ß√Ķes voltadas √† responsabilidade social nesses canais.¬†

Isso não vai vender produtos ou serviços imediatamente, mas contribui para o posicionamento da marca. Assim, quando os consumidores precisarem comprar algo de uma empresa do seu segmento, lembrarão do seu negócio como uma opção socialmente responsável. 

Veja tamb√©m:  Ag√™ncias e marcas: as mudan√ßas da rela√ß√£o para 2022

5. Live marketing

Com a vacina√ß√£o dando resultados no Brasil, as pessoas est√£o voltando √†s ruas, e querem matar as saudades n√£o s√≥ dos amigos e da fam√≠lia como tamb√©m das experi√™ncias ao vivo. √Č aqui que o live marketing surge como uma tend√™ncia de marketing para 2022.

Mas o que √© live marketing? Podemos entender essa estrat√©gia como um marketing feito ao vivo, por meio de experi√™ncias das quais as pessoas participam. Nessas a√ß√Ķes, o p√ļblico deve se sentir imerso, encantado e engajado. As experi√™ncias devem ser divertidas, efetivas e t√™m potencial de gerar compartilhamentos nas redes sociais.

Dada a necessidade de distanciamento social, esse tipo de interação precisou ser deixada de lado. Mas, agora, é possível retomá-la, inclusive com a ajuda da tecnologia. 

As campanhas de live marketing permitem que os consumidores vivenciem experiências imersivas, frequentemente em locais físicos ou via realidade virtual ou aumentada.

Aqui, vale relembrar esses dois conceitos. A realidade virtual (virtual reality, ou VR) consiste em ver um cenário gerado pelo computador. Na realidade aumentada (augmented reality, ou AR), por sua vez, vemos o mundo real com a adição de efeitos visuais. A VR e a AR oferecem experiências diferentes, mas ambas podem agregar ao marketing das empresas. 

As experi√™ncias digitais, utilizando realidade virtual ou aumentada, j√° foram menos acess√≠veis para a maioria dos neg√≥cios, dada a necessidade de usar equipamentos caros, mas est√£o se tornando mais populares. E tamb√©m existe a possibilidade de fazer a√ß√Ķes mais simples.

Para os neg√≥cios que possuem lojas f√≠sicas, essa √© uma boa maneira de atrair de volta o p√ļblico para os pontos de venda.¬†

Conte com a B.done para implementar tendências de marketing na sua empresa

E você, gostou de conhecer essas tendências de marketing para 2022? Pensa em implementar alguma delas na sua empresa?

Se sim, saiba que pode contar com a ajuda de uma agência para colocar a sua estratégia em prática. No mercado brasileiro, há modelos de agência especializados em diversas frentes, como marketing de influência, vídeos, otimização e live marketing, só para citar algumas que mencionamos no artigo.

Porém, sabemos que encontrar o parceiro ideal de negócio nem sempre é fácil. Por isso, você pode contar com a B.done nessa busca. Nós conectamos empresas que querem melhorar seus resultados de marketing às agências ideais para cada caso. 

Quer entender mais sobre como funciona e como a sua marca pode conhecer seu próximo parceiro de marketing? Então entre em contato com a gente aqui!

 

Escrito por: