Carta da CEO: sobre 2020 e uns

Sobre passados e presentes

Todos nós colecionamos aprendizados nesses últimos dois anos, pessoal, profissionalmente, individual e coletivamente. Particularmente, vivi os últimos meses da maneira mais intensa até então. Não vejo isso apenas por todo o contexto global que nos rodeou, mas também pela escolha de empreender em meio a um cenário incerto e com pouca bagagem na liderança total de um negócio.

Mover-se de uma carreira executiva para o empreendedorismo tem uma mudança drástica de postura, decisões e habilidades. Além de aprender na prática, por sorte ou destino, pude contar com bons mentores, parceiros, colaboradores e amigos. Poderia até dizer que compartilhar tenha sido a minha palavra de 2021. Porque foi assim que o processo se tornou mais fluido, divertido, produtivo e também se expandiu com novas óticas.

Entramos no nosso segundo ano de B.done e como crescemos. Não estou falando em resultado financeiro (que também nos acompanhou), mas em processos, em pessoas, em investimentos, em questionamentos, em posicionamento.

Também crescemos em tamanho, saímos de 05 pessoas diretas, para 12. Estabelecemos nossa cultura homeless e totalmente digital, dando espaço para que nossos colaboradores possam ser produtivos e manterem-se próximos de suas famílias ou de outras possibilidades que queiram explorar, e o melhor: não perdemos talentos importantes que poderíamos ter que abrir mão com uma estrutura física em São Paulo. 

Entre as mudanças principais que tivemos por aqui, foram a composição de um novo board para me apoiar estrategicamente enquanto única sócia, rebranding e reposicionamento (mudamos totalmente nosso foco de conteúdo e mídia de agências para lideranças de marketing), novo site, trocas de ferramentas no time de negócios e marketing, executamos formatos diferentes de conteúdos, testamos prospecções diretamente via B.done com resultados excelente e experienciamos canais e formatos de mídia para a geração de leads.

Entrar em cada um desses pontos, seria um artigo à parte. Pois cada uma dessas mudanças foram mudanças que impactaram diretamente nossa rotina, nossa gestão, o perfil de pessoas na estrutura e também aprendizados importantes para colher resultados mais palpáveis a cada movimento.

Veja também:  Estratégias Conversacionais: como elas estão revolucionando o mercado de CX no Brasil

Fizemos de 2021 um ano de estratégia e execução constante. Pensávamos, acordamos e colocamos pra testar, o tempo todo. Optamos por aprender fazendo muitas coisas, estivemos abertos a erros, a possibilidades e investimentos com riscos controlados. Em alguns momentos, confesso, foi cansativo, dolorido… deu vontade de abandonar o barco, de sair correndo. Mas tiveram mais dias bons que ruins, e prevaleceu a vontade de ficar, de fazer dar certo, de tentar mais um pouquinho. E não só da minha parte, mas de todo o time e dos parceiros que estiveram com a gente nas frentes de mídia, conteúdo e relação com o mercado.

Como resultados, realizamos 84 negócios entre marcas e agências, fizemos 39 concorrências próprias, geramos mais de 12 milhões só em serviços, sem considerar os budgets milionários de mídia e produção. Foram mais de 50.000 horas em reuniões para discutir projetos de marketing, comunicação, eventos, branding, UX/UI, CRM, incentivo de vendas, entre tantos outros desafios. Apoiamos diversos setores como indústrias, techs, varejo, e-commerces, games, serviços, energia, manufatura… e nos aprofundamos em muitos modelos de negócios.

Passaram por aqui negócios que ainda nem haviam nascido, empreendedores, pequenos negócios, grandes empresas, multinacionais e startups. Ajudamos a Paloma, o Eduardo, a Jéssica, mas também a Lafarge Holcim, Santa Helena, 99, Loft, Embelleze, Capgemini. Cada conversa com a mesma atenção e cuidado, porque em maior ou menor complexidade, cada desafio era crucial para cada um desses negócios – inclusive para o nosso.

Por isso, percebo que nosso trabalho foi também o nosso maior investimento em educação própria. Criamos repertório e bagagem que certamente nenhum lugar nos daria sobre a indústria de marketing e de negócios. 

A escolha foi certa, essa é certeza que tenho. Se em 2020 fomos acelerados desde o nosso momento zero, em 2021 a gente teve que sair do “engatinhar” para aprender a andar em pé e sozinhos. Em 2022, estamos nos colocando na pista de corrida, ainda que saibamos que não seja uma maratona, queremos correr bem os nossos 05 primeiros quilômetros.

 

Sobre possibilidades de futuro

Se em 2021 foi um ano de muita mão na massa, 2022 será um ano de muita estratégia, acompanhada de mão massa também, é claro. Estamos muito mais consolidados em nosso modelo de negócio e com isso podemos agora diversificar melhor nossas ofertas de serviços para marcas e para agências, e potencializar novas fontes de receita para o nosso negócio que irão nos permitir investimentos novos em algumas frentes e também mais robustos em outras.

Veja também:  Episódio 11: Lugar de mulher

Produto

Um dos principais investimentos que estamos realizando está na consolidação da nossa base, que hoje ultrapassa mais de 90.000 contatos de lideranças de marketing no Brasil. Contratamos uma empresa de tecnologia que está neste momento trabalhando na higienização e clusterização da nossa base.

Até março teremos uma interface com o time de negócios e iremos pivotar o nosso processo de operações internas para as estratégias de novos negócios e prospecções da B.done e de todas as nossas agências clientes e projetos que serão embarcados.

Depois dessa primeira fase, iremos trabalhar em automações com outras bases de dados, desenvolver reports e otimizar a eficiência da inteligência comercial em mais de 70%, com uma acuracidade de dados de 85% (essas são nossas metas) e incremento de 15% da base de empresas com mapeamentos descentralizados para além da região sul e sudeste.

Marketing e Comunicação

Fizemos muitas ações de marketing e mídia digital esse ano, muito conteúdo rico, templates, ferramentas e entendemos que iremos continuar investindo always on nessas estratégias, já com os aprendizados de como performaram nos últimos meses. 

Em 2022 daremos um passo muito importante, investiremos em comunicação e forte estratégia em awareness. Prevemos 04 grandes campanhas para o ano para discutir temas importantes na relação marcas e agências. E claro, isso é sustentado por mídia e também por conteúdos em novos formatos e estratégias. Trabalharemos em modelo híbrido, com um time interno, duas agências e freelas de conteúdo, produção e PR.

Educação de Negócios para agências

Não é de hoje que percebemos e vivenciamos aqui na B.done a necessidade das agências em aprimorarem suas habilidades técnicas comerciais, seja na condução de uma reunião, fechamento de negócios ou mesmo no desenvolvimento de recursos que apoiem (e nos apoiem) para novos negócios, passando por estratégias de marketing proprietárias, credenciais, cases, entre outros.

Veja também:  Você contratou uma agência errada, e a culpa é sua.

Estamos com nosso primeiro curso EAD para formar novos comerciais no mercado de agências, focado em nível tático e operacional já em andamento. E iremos desenvolver outro formato, focado em lideranças de agências para discutirmos estratégias de negócios e serviços, para suportar as novas demandas que temos acompanhado no mercado.

Também estamos estudando alguns modelos de workshops focadas em diferentes fases da jornada de negócios (credencial, propostas, negociação, por exemplo) de maneira aberta e também com mentorias individuais.

Marcas e Concorrências

Quando mudamos nosso posicionamento em maio deste ano, nem nossas melhores previsões consideramos o volume e o tamanho das concorrências de comunicação e marketing que pediriam nosso apoio. Percebemos que precisaríamos melhorar significativamente nosso processo de intermediação entre marcas e agências, para gerar mais compromisso entre as partes, mais profundidade e respeito ao processo e ditar regras saudáveis durante o processo comercial.

Algumas mudanças ocorreram no último quarter, mas a reformulação completa começa com as novas concorrências a partir de janeiro.

Atemporalidades 

Independente do que cabe em quarters, métodos e processos, tenho feito da B.done uma arena importante de aprendizado como empreendedora e como líder. E não há dúvidas para mim que valores claros, pessoas comprometidas e uma cultura saudável mentalmente e colaborativa são a base para qualquer boa ideia crescer, desenvolver e prosperar.

Não temos a intenção de ser melhores em tudo, mas de ser melhores dentro do que podemos, dos recursos que temos e da maturidade do mercado em que atuamos. Como diz o ditado, mais importante que velocidade, é saber a direção… e é nisso que nosso time está focado e comprometido.

Desejo que toda essa energia, esforço, interesse e vontade de fazer acontecer se somem a bons ventos econômicos e políticos, e que possamos fazer de 2022 um ano de grandes conquistas, aprendizados, crescimento e bons negócios e prosperidade para todos que estejam conosco nessa jornada.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Continue Lendo:

Agência Digital vs Agência Criativa – Qual é a Diferença?

Alguns empresários, sobretudo gestores ou lideranças de pequenas, médias e grandes empresas, em algum momento irão

Como realizar um call de qualificação com excelência? Dicas valiosas. 

Uma boa reunião de qualificação significa otimização e valorização de tempo, que é um recurso escasso

Como o agromarketing vem apoiando marcas do agronegócio

O mercado agro é um gigante na economia, e apesar da sua potência e impacto, passa

Receba informações e notícias em seu e-mail.