Episódio 7: Então é Natal, e o que você fez?

Os supermercados já estão cheios de panetones e outros quitutes para o Natal. Sabendo que não sou a única a me antecipar, me dei ao direito de roubar a frase da Simone por dois motivos:

1 – Eu sempre tenho muita dificuldade para encontrar títulos interessantes. (honestidade radical aqui, quem nunca? rs).
2 – Porque acho que a pergunta cai perfeitamente, para mim e para você. Ainda que possa causar um certo desconforto. Mas essa não é a intenção.

Eu sei que tenho sido um tanto repetitiva quando falo que o ano passou voando e que parece que não deu tempo de fazer nada. Ao mesmo tempo, fizemos muito, o nosso cansaço acumulado nos mostra esse esforço. E ainda assim, parece que não fizemos tudo que tinha que fazer. Mais alguém se sentindo desse jeito?

Recém completamos 7 meses de B.done. E assim como a maioria das empresas, imagino, estamos tomando fôlego para encarar essa reta final e finalizar 2020 da melhor maneira possível, e claro, planejar os próximos passos para 2021 (e dentro do que a pandemia e a atual conjuntura global nos permite).

Colocando na balança o ano

Nesse último mês, tivemos uma reunião de “balanço/planejamento”, para olharmos com cuidado para nosso 2020. Foi importante para sermos honestas sobre o que está dando certo – e valorizar isso, mas também olharmos para aqueles pontinhos que na correria dos dias evitamos, mas que são tão importantes para evoluirmos.

Operação: o nosso core

Do ponto de vista de operação, seguimos ajustando as engrenagens por aqui. Esse é um processo lento, porque todos os dias descobrimos novos pontos de ajustes. No Episódio 6 contamos que a consistência do processo tem sido chave para aumentarmos volumes de reuniões por clientes e escalar a operação, a cada semana isso fica ainda mais claro para nós.

Veja também:  Episódio 3: Crescer não é brincadeira

Para isso, o time está dividido para trabalhar e focar nos seguintes vieses:

  • Listas: aqui temos um trabalho ainda de formiguinha e super intenso para alimentar listas de prospecção de clientes, onde concentramos informações de perfil, contato e segmentos das marcas, facilitando a prospecção dentro do perfil exato que nossos clientes precisam.
  • Conteúdos de prospecção: todo mês os conteúdos de prospecção e cold e-mails são revisados, atualizados e adaptados para que sejam personalizados de acordo com cada segmento e público alvo. Esse é um trabalho que se complementa muito com a montagem das listas, pois se temos os perfis certos e conseguimos chamar a atenção com a nossa abordagem, as aberturas de conversas se tornam mais fáceis e o volume de novas reuniões e levantadas de mão aumenta.
  • Gestão de carteira: Cada um dos e-mails é disparado em nome das nossas BDRs. Assim, conforme os leads começam a responder, reuniões vão sendo agendadas. Além de gerenciar os múltiplos funis de cada uma das agências e veículos, as BDRs desenvolvem duplo trabalho de relacionamento: é preciso trabalhar com os leads de tal forma a engajá-los para reuniões, como é necessário gerenciar expectativas, colher feedbacks e construir estratégias em conjunto com os clientes.
  • Inteligência de Base: Em paralelo a todo esse processo, estamos construindo os dashboards para otimizar a busca de informações, gerar inteligência de dados, realizar pesquisas de movimento de contas para entender movimento de mercado.
  • Gestão de cronograma: Outra parte de aumento da eficiência das carteiras tem sido seguir fielmente os prazos dentro do mês, mas iniciarmos aberturas de conversas ainda muito cedo dentro do mês, caminhar para follow-ups nas semanas seguintes, e claro, puxar os leads para o fechamento.

Time: construindo nosso dream team

Quando olhamos para time, aqui dá um orgulhinho imenso de inflar o peito e encher a boca para falar da nossa equipe. Não sei se foi “sorte” ou fomos certeiras nas nossas contratações. Talvez os dois. Mas o que importa é que nosso dream team veio com tanta sede por fazer isso dar certo quanto nós.

Veja também:  Economia do Borogodó: Como a Transcriativa fomenta a Transformação Criativa das pessoas

Não podemos negar que tivemos alterações no time, faz parte do jogo, e é importante demais que as duas partes sejam sempre honestas enquanto expectativas, alinhamentos e interesses, e nem todo mundo continuou com a gente. Estamos felizes que nossos ex-marinheiros foram francos em assumir que estavam em outro momento. Vida que segue.

No time que segue conosco, comprando nossa briga diária, o sentimento mais recorrente da nossa parte – sócias – é a confiança. Temos diferentes perfis, diferentes níveis de experiência e background, mas o nível de comprometimento tá no mesmo alto nível.

Aqui, só temos a imensa gratidão por contribuírem tanto com o nosso processo, com o nosso clima, e pelo estoque infinito de figurinhas no whatsapp! haha

Marketing: foco na maratona e não nos 100m rasos

O marketing segue conduzido por essa que vos fala, e que está aprendendo muito pelo caminho. Alguns desafios foram superados: a produção de conteúdo de maneira consistente, editoriais, variedade de informações.

Ainda vemos muitos outros desafios a serem trabalhados no próximo ano: o nosso posicionamento mais forte com as marcas, nossa audiência, a relevância do nosso conteúdo para o mercado. Entendemos e percebemos todos os gaps, e hoje o nosso foco é no longo prazo, lidando com a tentação de fazer coisas que são trend, mas que ainda não sabemos o impacto.

Gestão: o tom e o ritmo da nossa orquestra

Já vemos muitos aprendizados e lições aprendidas nesse quesito. Hoje o papel e responsabilidade de orquestração e organização desse time está a cargo da Cáh, que é a nossa CEO. E muito do que falamos no passado sobre “não tirar o olho da estratégia e voltar para a operação” nem sempre se cumpre. A forma como estamos estruturados ainda exige muito da presença dela no dia-a-dia, mas que sabemos não ser sustentável no longo prazo.

Veja também:  Episódio 2: Descobrindo nosso lugar no mercado

Além disso, precisamos encontrar a medida ideal de rotinas com o time, a fim de não lotar agendas e não tirar o time do foco, porém, criar espaços de interação, proximidade e cultura. Como queremos uma empresa remota, sabemos o quão importante é fortalecer nossos laços, comunicação e aprendizado.

Próximos passos:

Esse foi um mês que sentamos para nos planejar. Olhar para trás e fazer o balanço do que foi até aqui. Temos algumas premissas das quais não podemos abrir mão. E ah, claro! Precisamos revelar nosso amigo secreto, afinal, a firmaTM cresceu, né gente! Já estou reservando minha mimosinha para acompanhar o Happy Hour do Brasil no meu horário de Brunch!

Ainda que seja difícil prever o que 2021 nos reserva, sabemos que, ainda que as coisas estejam andando bem de uma maneira geral, é preciso puxar a B.done para um novo nível de empresa. Nosso foco sem dúvida vem para esse novo patamar onde queremos chegar.

Nosso portfólio segue crescendo, e entendemos que temos um espaço para gerar valor dentro da indústria criativa. Agora, enquanto empresa é chegada a hora de dar mais robustez para esse processo. Precisamos diminuir erros, automatizar o que é possível, sermos consistentes em processos e entregas, mas usando a humanização como base de relacionamentos e interações com clientes, prospects e todos os demais stakeholders.

Daqui uns dias eu volto para contar um pouco mais. Ansiosa para contar as novidades que estamos preparando.

Até mês que vem (ainda mais perto do Natal). Respira fundo e só vai!

Compartilhar artigo

Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on tumblr
Share on telegram

Escrito por:

Débora Brauhardt
Débora Brauhardt
Especialista em Gestão da Criatividade e Inovação e mais de 12 anos de carreira em estratégias de negócios, marketing, customer success, gestão e internacionalização em empresas como Parque Tecnológico Itaipu, Resultados Digitais e Octadesk.