Novos negócios no mercado de agências – tendências do mercado

Gestora de negócios na B.done, Ana Carolina Cavichioli iniciou sua jornada de desbravar o universo comercial do mercado publicitário como Consultora de Negócios na B.done, hoje ela lidera o time interno de negócios e já apoiou diferentes e marcantes concorrências.

Ana, falou sobre o comportamento do mercado nos últimos anos e a importância da comunicação em todos os cenários, além disso, nos contou suas percepções para a construção de bons e prósperos relacionamentos. 

 

B.done: Ana Carolina, nos conte sobre suas experiências profissionais e trajetória estando à frente da área de negócios da B.done. 

Ana Carolina: Sempre soube que nasci para trabalhar com comunicação. Porque desde criança, gostava de conversar com as pessoas, me relacionar, interagir e não me via atuando em áreas exatas, onde poderia ser a sombra de cálculos, ou algo assim. Bom, publicitária como formação e pós-graduada em comunicação corporativa, iniciei minha trajetória profissional como docente universitária nos cursos de publicidade e jornalismo. Ali me encontrei como pessoa e profissional, pois muito mais do que uma professora, me dediquei a transformar a carreira dos alunos mostrando que o conhecimento vai além de livros, vem muito da vivência e prática. Me descobri também na área comercial, oferecendo soluções de crédito imobiliário para uma grande empresa do país, onde bati todas as metas propostas e me vi uma pessoa obstinada a superar desafios e instigada a crescer. Mudei para outros estados, me tornei mãe e esse processo me transformou intensamente, com diversas culturas, pessoas… Até que um dia vejo um post no LinkedIn para uma vaga de BDR na B.done, mas afinal o que era essa vaga e empresa? Resolvi arriscar e mandar meu currículo. Match! Fiz uma entrevista com a Cáh em pleno domingo e já na outra semana, estávamos juntas desbravando o mundo dos negócios a frente do comercial de algumas agências de marketing. Mais um encontro. Me vejo apaixonada pelo universo dos negócios e comecei a galgar uma carreira como consultora, mas logo fui promovida para gerente de operações. Uma missão e tanto, não é mesmo? Liderar um time de mulheres maravilhosas, e juntas buscando fechamento de negócios, geração de pipeline e acompanhamento de grandes BIDs de marcas que jamais pensei um dia ter contato. Nunca pensei em um dia fazer uma reunião com Santa Helena Alimentos, Panasonic, Mococa, Embelleze! Chega a ser surreal, mas aprendi e aprendo diariamente, porque tinha a ilusão de que essas marcas eram intocáveis e descobri que atrás destes CNPJs, existem CPFs, pessoas incríveis, antes mesmo de profissionais. Com as mesmas dores, frustrações e que encontraram na B.done, um suporte humanizado, e que pode ter o apoio necessário para encontrar parceiros que solucionem realmente as necessidades da empresa. A B.done é isso, muito mais que uma empresa, somos um grupo de pessoas e profissionais que tem o propósito de apoiar, solucionar e encontrar as soluções para nossos parceiros.

Veja também:  Conheça os 15 principais modelos de agência disponíveis no mercado
B.done: Com a sua vivência e experiência no mercado, quais os segmentos que você percebe que estão em ascensão e se movimentando para geração de novos negócios? 

Ana Carolina: A B.done começou a operação dentro do período mais crítico da pandemia, em março de 2020 (ou seja, no ápice). Mercado instável, economia totalmente desestabilizada, profissionais de marketing se viam no meio de toda a insegurança de investimento versus cobrança de resultados. Ninguém sabia o que esperar naquele momento, só se ouvia sobre demissões, cortes e pausas de budgets. Mas logo percebemos que após alguns meses deste cenário, tudo mudou. As marcas começaram a entender que para se fortalecer no mercado, gerar resultados, vendas, precisavam investir ainda mais em marketing. Não poderiam permanecer com as mesmas estratégias e a inércia não poderia ser a palavra de ordem. Período transformador, doloroso, mas que fez um aquecimento necessário para a retomada dos investimentos. Vimos que as nossas conexões entre as agências e marcas foram cada vez maiores, através de diversas soluções, desde performance para geração de demanda, inbound marketing para atrair leads, estratégias de conversão, desenvolvimento de aplicativos, e-commerces. Afinal, pessoas dentro de casa mudaram o aspecto de consumo. Apoiamos diversos projetos de desenvolvimento de lojas virtuais, ou até mesmo estratégias de UX e UI para garantir melhor usabilidade e transformar a experiência do usuário durante a sua jornada de compra. 

Se for para falar de alguns segmentos que apoiamos e posso passar essa percepção, consigo falar que as indústrias investiram mais em estratégias de conteúdo, usabilidade e performance para os seus sites. O setor de bens de consumo, continua em ascensão, pois vimos que as pessoas investiram mais em compras de produtos de beleza e bem estar, alimentação; e esse segmento investiu em estratégias de performance, conteúdo, gerenciamento de redes sociais, CRM, afinal, precisam continuar conversando com este consumidor, mesmo após a compra, concorda? Falando em tecnologia, esse mercado precisou investir em employer branding, trabalhando conteúdos para atrair e reter talentos, pois nunca se necessitou tanto de profissionais de TI como agora, logo as empresas precisam atrair e diminuir o turnover dos colaboradores. Além disso, contratam especialistas para apoiar na geração de demanda B2B, um grande desafio para techs.

Veja também:  3 sinais de que você não deve trocar de agência, ainda.

Em resumo, a comunicação e marketing continuam sendo estratégias cruciais para a sobrevivência dos negócios. E percebemos que a B.done está no caminho certo, apoiando as marcas a encontrarem parceiros para as diversas dores em diferentes etapas da jornada. 

Outro ponto importante é sobre a necessidade de se adequar ao momento do consumidor, facilitando a compra pelas lojas virtuais, com um site de alta performance, usabilidade e com uma boa experiência ao cliente. E complementando com aplicativos que facilitem esse dia-a-dia. Hoje, queremos comprar com um clique. Então, marcas invistam em empresas de tecnologia que ofereçam essa expertise e apoiem na construção de um site ou app que gere valor e reconhecimento com o usuário, porque se não, o concorrente estará à sua frente. 

B.done: Ana, falando sobre o mercado publicitário, quais os pontos de melhorias dentro das estratégias comerciais você considera primordiais para uma relação bem sucedida no processo de concorrência?  

Ana Carolina: Um bom relacionamento é a chave de tudo, e para que isso aconteça precisa acontecer um reconhecimento entre a marca e agência. Logo, entendo que para que esse match ocorra, é necessário um entendimento perfeito acerca das necessidades da marca versus o que a agência oferece de soluções. Quando selecionamos um shortlist de agências para indicar em um BID, elas devem ser adequadas com o desafio, expertise com o mercado, estrutura de atendimento correlato ao cenário (squads dedicados ou atendimento parcial), cases de sucesso com marcas do segmento, certificações fundamentais dependendo do escopo de trabalho, por exemplo, se é um desafio de desenvolvimento de e-commerce com a plataforma VTEX, é fundamental que o parceiro tenha know-how e/ou homologação para trabalhar com essa tecnologia, isso garante que o projeto será entregue com sucesso e com a qualidade esperada. Gosto de ressaltar que a primeira impressão é que fica, então as marcas sempre buscam referências sobre o parceiro, seja através em uma navegada pelo site ou rede social e essa percepção precisa ser positiva e encantadora. As agências precisam ter esse cuidado de manter as redes e os sites atualizados, com conteúdos pertinentes a sua audiência, que gerem valor e passem a segurança para que a marca consiga evoluir. Já imaginou uma agência que oferece gerenciamento de redes sociais, ter um instagram com um feed desorganizado, sem as boas práticas na bio, conteúdos rasos e layouts ruins? A frase: “casa de ferreiro, o espeto é de pau’’, nunca deve servir de defesa para essa situação. E por último, é a construção de uma proposta comercial aderente ao briefing, por isso é importante ter um escopo detalhado, com o máximo de informações possíveis. A proposta deve trazer as soluções para as dores, uma análise de mercado que permeia a defesa do porquê foi definido aquela estratégia, detalhamento do squad de atendimento (quais os níveis e profissionais envolvidos), benchmarking, e proposta de investimento, incluindo as condições comerciais, prazo de contrato, formas de pagamento e próximos passos como onboarding, entre outros. 

Veja também:  A hora de mudar de agência: saiba quando é o momento

Concluindo, com todas essas orientações sendo seguidas, o mais importante nesta construção de relacionamento é a simpatia. Lembra quando falei sobre pessoas? É sobre isso. Pessoas gostam de sorrisos, simpatia e acolhimento. Uma reunião jamais deve ser engessada com um ar de formalidade, lembrando que informalidade não é sinônimo de invasão de privacidade, mas manter um ambiente acolhedor, harmonioso, facilita o processo de sinergia para que o processo flua melhor e transparente. 

 

Através de relacionamentos humanizados e expertise em fazer negócios, a B.done vem apoiando centenas de marcas a entenderem seus desafios e a encontrarem seus parceiros de comunicação, marketing ou martech. Conheça a B.done

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Continue Lendo:

Agência Digital vs Agência Criativa – Qual é a Diferença?

Alguns empresários, sobretudo gestores ou lideranças de pequenas, médias e grandes empresas, em algum momento irão

Como realizar um call de qualificação com excelência? Dicas valiosas. 

Uma boa reunião de qualificação significa otimização e valorização de tempo, que é um recurso escasso

Como o agromarketing vem apoiando marcas do agronegócio

O mercado agro é um gigante na economia, e apesar da sua potência e impacto, passa

Receba informações e notícias em seu e-mail.