Conteúdo Multiplataforma: como a A+E Networks se remodelou para oferecer soluções mais completas para os anunciantes

A maneira de consumir conteúdo mudou, isso é inegável. Se há alguns anos falávamos do fenômeno “segunda tela”, lá quando a mobilidade da internet na palma das mãos nos fazia acompanhar a programação da TV pelas redes sociais, hoje falamos de múltiplas telas e plataformas. E para acompanhar essas mudanças foi que a A+E Networks se reinventou  para oferecer um conteúdo multiplataforma: alinhado com o que o consumidor espera e oferecendo uma solução mais completa aos anunciantes. 

Digital ou offline? TV ou mídias sociais? Onde estar presente? A resposta é que não existe uma resposta padrão, e sim: onde está a sua audiência. E na maioria das vezes, ela está em vários lugares e sua jornada de consumo é integrada e complexa.

Num artigo postado pelo Think With Google, o professor da Business School of Melbourne e PhD em Marketing, Mark Ritson, disse que “assim como escolher a combinação certa de ingredientes cria um delicioso café da manhã, selecionar a melhor mistura de canais para comercializar sua marca cria a mistura de mídia ideal. Não é nenhuma surpresa que vimos o retorno sobre o investimento (ROI) do canal digital aumentar à medida que mais pessoas ficaram em casa devido às restrições de bloqueio. Ao decidir onde investir seu tempo e energia, quanto mais possibilidades de alcançar clientes, melhor. A realidade é que, pelo menos quando se trata de canais, mais é muito mais”.

A conclusão do professor retrata a realidade do comportamento do consumidor. Conforme vemos a aceleração na adoção digital, conteúdos como vídeo online começaram a tornar-se poderosas ferramentas de marketing para as marcas. E ainda que vejamos a TV tradicional como uma das maneiras mais eficientes de atingir um público de massa, também começamos a ver lacunas no alcance, forma de consumo do conteúdo e mensuração de impacto e de resultados. O formato exige evolução.

E foi justamente no processo de acompanhar essas mudanças latentes e visíveis que a A+E Networks começou a rever seu posicionamento e oferta. O grupo que é responsável pelas marcas A&E, Lifetime, History e History 2 se remodelou e restruturou a sua forma de trabalho justamente para poder oferecer conteúdos num modelo multiplataforma, onde oferece aos anunciantes uma solução mais completa dos conteúdos.

Para entender melhor esse modelo, convidamos Raul Costa Junior, General Manager da A+E Networks Brasil, para um bate-papo.

Vem conferir!

conteúdo-multiplataforma-ae-networks-brasil

B.done: Diferentemente de muitos canais que até então vendem apenas os espaços de publicidade e anúncios, a A+E Networks Brasil vem apostando num modelo diferenciado, articulando uma estratégia para se posicionar como um ecossistema de conteúdo multiplataforma, certo? Como isso funciona exatamente, na prática?

Raul: Exato. Partimos do princípio que nosso principal ativo são nossas marcas que ao longo dos anos construíram sua reputação a partir do alto padrão de qualidade dos seus conteúdos, como é o caso da History, History 2, Lifetime e A&E.

Veja também:  Episódio 11: Lugar de mulher

E como geradores de conteúdos nosso foco é estar presente em todos os canais onde as pessoas buscam informações e entretenimento.

A mudança no hábito de consumo desses conteúdos nos fez mudar também a maneira não só de como os distribuímos, mas o como entregamos ele. Não é uma questão apenas de ajustar ou replicar os conteúdos, mas de adaptá-los de acordo com as características, interesses e maneiras de consumo de cada audiência.

B.done: Por que vocês apostaram nessa estratégia? Quais as necessidades de consumo de conteúdo e de comportamento de consumidores que vocês buscam suprir?

Raul: Te diria que não é uma questão de aposta, mas sim como resultado de um processo natural de evolução.

Nos últimos anos temos percebido diferentes mudanças de comportamento dos diferentes grupos de audiências. Comportamentos esses que foram muitas vezes provocados pela evolução tecnológica ou mesmo de comportamento das pessoas de acordo com seus interesses e necessidades.

O que percebemos foi que nós, como uma empresa de conteúdo e comunicação, naturalmente deveríamos seguir esta tendência.

B.done: Vocês agregaram algumas soluções das áreas de digital e ad sales e aproximaram ambas da estrutura de marketing a fim de propiciar aos anunciantes soluções mais completas de conteúdo. Nesse sentido, o que compõe o pacote de serviços para uma marca anunciante?

Raul: Cada vez mais a comunicação tem se utilizado de outros formatos que não apenas os tradicionais 30”. As marcas têm encontrado nos conteúdos uma oportunidade única de construir seus posicionamentos e assim atenderem suas necessidades de conexão e relevância com os seus consumidores.

Esse movimento começou na TV há um bom tempo com os conhecidos merchandisings e foram evoluindo em forma e plataformas até chegarmos aos conteúdos 100% proprietários.

Neste contexto, nós como geradores de conteúdos não poderíamos não considerar fazer o mesmo para nossas plataformas digitais que não são apenas os nossos sites, mas todos os pontos de contato. Hoje além do potencial de mais de 40 milhões de pessoas atendidas pelos nossos canais, estamos falando de mais 10 milhões de contatos dentro do nosso universo digital entre nossos sites, nossas redes sociais e nas plataformas de vídeos só com a marca History, por exemplo.

Veja também:  Marketing Digital e Posicionamento: Como a Kepler Weber está driblando os desafios da pandemia

É importante ressaltar esse números para ter ideia da dimensão desse alcance: só esse ano já foram mais de 1 bilhão de vídeos views gerados. Esta foi a razão pela qual fizemos a integração das duas áreas, para que este universo digital estivesse também a disposição do mercado publicitário para as mais diferenciadas formas de atuação.

B.done: E quais são os benefícios vocês entregam para as marcas e clientes? No final do dia, por que é vantajoso oferecer essas soluções mais completas?

Raul: Costumo dizer que, nossa proposta é baseada em uma entrega maior do que o conceito 360º, pois, quando soma-se tudo o que podemos oferecer, o valor agregado e a relevância de nossas marcas como chancela, as chances de eficiência e eficácia são bem maiores.

Temos as marcas, os conteúdos, os formatos e as soluções criativas de negócios para cada cliente, para cada audiência, quer seja de massa, quer seja segmentada como, por exemplo, as classes econômicas mais altas, onde hoje o canal History 2 é Top #1 em afinidade, quer seja apenas para homens ou mulheres.

Se a marca precisa de uma solução de mídia, de influencer marketing, de produção de conteúdo, de interatividade, de engajamento, de evento ou até mesmo de uma ação de promoção, nosso ecossistema da maneira como está estruturado nos permite atender a tudo isto.

Mas também sabemos da importância dos clientes em conseguir analisar o resultado disto tudo junto e é exatamente por causa disto que estamos finalizando o processo de estrutura de uma nova ferramenta de análise de performance, que vai nos permitir consolidar toda atuação nas plataformas de mídia. Devemos apresentar esta ferramenta ao mercado ainda nos próximos meses.

B.done: Raul, você acredita que o modelo tradicional de anúncios e propaganda na TV, assim como a estrutura de programação que conhecemos hoje, está em defasagem?

Raul: Não abordaria dessa maneira. Todo o universo de comunicação está passando por uma fase de evolução e isto traz a necessidade de todas as plataformas se ajustarem. As empresas precisam estar atentas a estas mudanças e estar preparadas para acompanhar estes movimentos e é exatamente isto que estamos fazendo.

Veja também:  Episódio 12: 1 ano de B.done

De novo, nosso principal ativo são nossas marcas e é por elas e pelos conteúdos que elas oferecem que as nossas audiências nos procuram. E assim estamos nos preparando cada vez mais para atender também as necessidades dos nossos parceiros de publicidade.

Nosso desafio é fazer que nossas telas, seja qual for o device, apresentem sempre os conteúdos na forma e no tempo que as audiências querem assistir. E isto passa por uma reorganização de programação e inserção publicitária. Não podemos esquecer que televisão ainda é um dos principais meios de entretenimento dentro de casa no Brasil.

B.done: Que tendências você vê como mais latentes quando o assunto é conteúdo de entretenimento?

Raul: Todo bom conteúdo sempre vai ter uma boa audiência, independente de onde ele esteja. E é assim que isto deve seguir, sempre facilitando o acesso a ele, seja em que plataforma for, seja ele curto ou longo, que possa ser assistido no conforto do sofá ou na estação de metrô enquanto espera. Que seja para consumo próprio, coletivo ou interessante para compartilhar.

Vivemos num mundo onde o mais importante é a informação e hoje o entretenimento é uma forma bem eficiente para fazer isto.

Acredito que cada vez mais todas estas telas estarão mais integradas e interagindo entre elas, capazes de continuar acompanhando suas audiências nos espaços e tempo, que trazem as mudanças de comportamento. E essa é nossa missão. Garantir o melhor conteúdo e o acesso fácil a ele. E na cola, que ele seja extremamente eficiente para a publicidade.

 

Recentemente, a B.done e a A+E Networks | Brasil fecharam um acordo para negociar o inventário e o desenvolvimento de projetos especiais de mídia do portfólio composto pelos canais digitais e lineares A&E, History, History2 e Lifetime.

Dessa forma, oferecemos em nosso portfólio mais uma opção em nosso menu de parceiros criativos e de mídia para que as marcas possam ampliar, reforçar e criar novas e incríveis conexões com o mercado.

Para saber como a sua marca pode anunciar através dos canais do grupo A+E Networks | Brasil, você pode entrar em contato aqui.

 

Compartilhar artigo

Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on tumblr
Share on telegram

Escrito por:

Débora Brauhardt
Débora Brauhardt
Especialista em Gestão da Criatividade e Inovação e mais de 12 anos de carreira em estratégias de negócios, marketing, customer success, gestão e internacionalização em empresas como Parque Tecnológico Itaipu, Resultados Digitais e Octadesk.