Saiba o que é, qual a importância e como fazer uma análise de concorrência

Saiba o que é, qual a importância e como fazer uma análise de concorrência

Sua empresa já fez uma análise de concorrência? Se sim, quando foi a última vez?

Com o fim do ano se aproximando, as empresas se preparam para estruturar um novo planejamento de marketing. Porém, muitas esquecem de uma ferramenta que é bastante útil nesse momento: a análise de concorrência. A estratégia ajuda a empresa a conhecer os competidores, descobrir seus pontos fortes e fracos e aproveitar oportunidades. 

Ao não fazer esse levantamento, por outro lado, seu negócio pode estar desperdiçando informações importantes, que agregam ao seu planejamento de marketing. Mas, se você não sabe por onde começar, não se preocupe. É só continuar a leitura do artigo. Nele, vamos falar sobre o que é, quais são os benefícios e como conduzir uma análise de concorrência na sua empresa passo a passo. Confira!

O que é análise de concorrência?

A análise de concorrência é uma estratégia que inclui levantar quem são os seus concorrentes e pesquisar a fundo sobre seus produtos, serviços e estratégias de marketing, entendendo quais são as forças e fraquezas deles em relação a sua empresa. O objetivo é obter insights e identificar oportunidades para fortalecer as suas próprias estratégias.

Além disso, a análise de concorrência também permite ficar a par das tendências do seu segmento de mercado para implementar aquelas que fazem sentido, mantendo o seu negócio competitivo, dentre outros benefícios, sobre os quais falaremos em detalhes mais adiante.

E o que a análise de concorrência não é?

O objetivo de uma análise de concorrência é entender os seus concorrentes e obter insights para se diferenciar. 

Mas é importante dizer que uma empresa nunca conseguirá conhecer totalmente e nem reproduzir a estratégia de outro negócio. Primeiro porque existem informações que são confidenciais. Segundo porque cada organização é diferente, e o que faz sentido para uma nem sempre é a melhor escolha para a outra.

A análise, portanto, é só uma das maneiras de descobrir pontos de melhoria para suas estratégias de marketing. Ela é, sim, importante, mas não tome decisões somente com base nos resultados desse levantamento. 

Digamos, por exemplo, que o seu concorrente lançou um novo produto. Faz sentido o seu negócio fazer a mesma coisa?

Isso vai depender de diversos pontos que também devem ser levados em consideração, como os feedbacks dos seus consumidores, seja por meio de avaliações ou entrevistas específicas para esse fim, e as sugestões dos colaboradores, que vivem o dia a dia da empresa. Só assim o seu negócio implementará melhorias que realmente fazem sentido para o seu público.

Por que fazer análise de concorrência?

As vantagens que uma empresa ganha ao fazer uma análise de concorrência podem ser divididas em 4 pontos principais:

  • Saiba qual é a sua proposta de valor: conhecendo os seus concorrentes, fica mais fácil descobrir também o que diferencia a sua empresa das outras. Isso pode guiar suas estratégias de marketing.
  • Descubra os pontos fortes da concorrência: entender onde seus concorrentes estão acertando permite ajustar suas estratégias para não ficar para trás. E mais: possibilita trabalhar para superar os padrões do seu segmento.
  • Conheça os pontos fracos dos competidores: da mesma maneira, é importante descobrir onde a concorrência está falhando. Essas lacunas deixadas por outras empresas do seu mercado são oportunidades para se diferenciar.
  • Entenda o ponto de vista dos consumidores: ao estudar avaliações dos clientes das empresas concorrentes, você consegue entender o que pode melhorar no seu negócio também.
Veja também:  Marketing Digital e Posicionamento: Como a Kepler Weber está driblando os desafios da pandemia

Como fazer uma análise de concorrência?

Agora que você já sabe o que é e qual a importância de fazer uma análise de concorrência, vamos falar da prática. Veja quais etapas seguir para desenvolver a estratégia com sucesso.

Descubra quem são os seus concorrentes

O primeiro passo parece óbvio, mas muitos negócios ainda não sabem quem são, exatamente, os seus concorrentes.

Podemos dividir a concorrência em duas categorias: direta e indireta. A primeira diz respeito a aqueles negócios que oferecem produtos ou serviços que podem ser considerados substitutos. Além disso, operam na mesma região. Já a segunda tem ofertas que não são tão parecidas com as suas, mas que atendem às mesmas necessidades.

Na análise de concorrência, o foco deve se voltar para os concorrentes diretos. Porém, os indiretos não devem ser totalmente ignorados, pois podem criar novos produtos ou serviços que concorram diretamente com os seus. 

É por isso, também, que a análise de concorrência não deve ser feita somente uma vez na história da empresa. Em um mercado que muda constantemente, o melhor é fazê-la periodicamente para não perder novidades importantes de vista.

Levante as principais informações sobre os negócios

Com os nomes dos concorrentes diretos em mãos, é hora de começar a levantar as principais informações sobre eles. A dica é ir das informações mais básicas para as mais avançadas. Procure responder questões como:

  • Quando a empresa concorrente foi fundada?
  • Quantos funcionários tem?
  • A empresa concorrente já recebeu rodadas de investimentos? Qual o valor? E quem são os investidores?
  • A empresa concorrente está em expansão?
  • Quantos clientes possui?
  • A empresa concorrente já foi adquirida ou adquiriu outras empresas?
  • Em qual região opera?
  • Qual é o market share dela?
  • Quais são as principais forças e fraquezas da empresa concorrente, do ponto de vista operacional?

Alguns desses dados podem ser encontrados facilmente no próprio site ou na página da empresa no LinkedIn, por exemplo. Outros podem ser achados em notícias e releases. Com base neles, já é possível ter uma ideia mais superficial sobre quem são os seus competidores. É possível, então, partir para uma análise mais profunda.

Veja também:  Nossos aprendizados com ABM - Account Based Marketing

Entenda quem são os clientes ideais

Em seguida, procure entender quem são os clientes ideais da empresa. Embora não seja possível saber com precisão, é possível encontrar pistas no próprio site. É comum que a página do negócio traga cases de sucesso, por exemplo. 

Faça uma leitura desses conteúdos e procure padrões entre os clientes apresentados, como tamanho da empresa, localização, indústria, receita. Com base nisso, dá para ter algumas ideias dos clientes que essa empresa procura.

Avaliações também são bastante úteis, pois ajudam a entender por que os consumidores estão escolhendo sua concorrência, e não você.

Procure responder perguntas como:

  • Quais são as características, necessidades e objetivos do cliente ideal da empresa concorrente?
  • Quais canais são utilizados pela empresa concorrente para chegar até os consumidores? 
  • Para quais empresas a concorrência vende, no caso de negócios B2B?

Analise o posicionamento da empresa

Analise, também, o posicionamento da empresa, a mensagem que ela deseja passar por meio da identidade visual, textos, campanhas.

Se for bem feito, esse posicionamento comunica o valor do que a empresa oferece e permite que ela converse com todos os interessados, como clientes, investidores e funcionários. Informações como essas podem ser encontradas no site, principalmente na página “Sobre”.

  • Qual mensagem a concorrência comunica aos clientes?
  • Como os produtos e serviços são posicionados no mercado?
  • Como a proposta de valor e os benefícios são descritos?

Avalie as estratégias de marketing

Aproveite também para avaliar as estratégias de marketing do negócio, como a de marketing de conteúdo. Observe em quais formatos o concorrente investe, se ele tem um blog, se lança materiais ricos, em quais redes sociais tem conta e se elas estão atualizadas. 

Procure também descobrir se, além dos canais digitais, ele busca atrair clientes offline, como por meio de eventos e de propagandas em outdoors.

  • Quais redes sociais são usadas? E quais outras estratégias digitais é possível identificar?
  • Que formato de conteúdo publica, sobre quais assuntos?
  • Como o público reage aos conteúdos? Há engajamento?
  • A empresa faz estratégias de marketing offline? Se sim, quais?

Entenda as ofertas oferecidas pelas empresas

Agora que você já sabe como os seus concorrentes buscam atrair os clientes, é hora de entender o que eles oferecem para o público. Liste quais são as ofertas da empresa e o que cada produto ou serviço oferece. 

É importante entender também o preço cobrado e as fraquezas e forças de cada solução oferecida.

  • Quais são as principais possibilidades que os produtos ou serviços oferecem? Quais características são únicas?
  • Quais são as forças e fraquezas das ofertas da concorrência?
  • Como o seu produto ou serviço pode ser comparado com os dos clientes?
  • Qual o preço mínimo cobrado pelo concorrente?
  • Como as ofertas são vendidas? Em qual modelo (assinatura, por exemplo)? 
Veja também:  Contratar uma agência ou internalizar o marketing? O que é melhor?

Avalie o pós-venda

Por fim, temos o pós-venda. Nessa etapa da análise de concorrência, a ideia é entender se os consumidores estão satisfeitos com a solução adquirida, se há um bom suporte para tirar dúvidas e se o concorrente oferece uma boa experiência ao longo de toda a jornada de compra. 

A melhor maneira de descobrir isso é por meio das avaliações feitas pelos consumidores nas redes sociais e em sites como o Reclame Aqui.

Procure responder perguntas como:

  • Do que os consumidores gostam nos produtos e serviços da concorrência?
  • Quais são as principais reclamações?
  • Quão fiéis os clientes são?
  • Quanto tempo a empresa leva para responder às reclamações?

Use ferramentas digitais

A internet facilitou bastante o trabalho de fazer uma análise de concorrência. Para ajudar, há diversas ferramentas digitais, algumas gratuitas, que a empresa pode usar.

O Datanyze, por exemplo, analisa sites e ajuda a descobrir as integrações, plataformas e plugins utilizados por eles. O Builtwith também permite saber quais tecnologias são usadas por sites.

O LinkedIn, já mencionado, é uma ótima fonte para descobrir dados das empresas, como número de funcionários e cargos ocupados pelos colaboradores. Avaliar outras redes sociais em que a empresa está presente também é essencial. O YouTube pode trazer vídeos de demonstração, por exemplo, e outros conteúdos que deem uma ideia melhor de como a empresa é por dentro.

Por fim, o SimilarWeb permite comparar o tráfego dos sites. Já a SEMrush ajuda a entender como a concorrência foca em SEO, incluindo as palavras-chave que performam melhor.

Documente os resultados

No final do processo, é importante documentar os resultados obtidos, criando uma ficha para cada empresa. O documento deve ser compartilhado com os interessados, principalmente a área de marketing, e ficar acessível para ajudar a guiar as próximas estratégias.

Faça o download da Planilha de planejamento de marketing 2022

Além da análise de concorrência, contar com uma planilha também torna mais fácil o seu planejamento de marketing para 2022.

Pensando nisso, a B.done criou um template gratuito para apoiar você nesse período. O material traz uma série de templates: um de canva para priorizar estratégias e ações de marketing digital, um de análise SWOT com dicas de como avaliar pontos importantes no seu planejamento, um de template de orçamento para acompanhar investimentos e muito mais. Faça o download agora!

E lembre-se: caso precise da ajuda de uma agência para fazer o seu planejamento e colocar a estratégia de pé, você pode contar com a B.done para auxiliar o seu negócio a encontrar a agência ideal para planejar e executar suas ações de marketing para 2022. Saiba mais!

Escrito por: